Descarbonização - Emissão de CO2

Os seres humanos possuem uma longa historia de liberação de dióxido de carbono na atmosfera por meio de diversas atividades, começando no passado distante com o desflorestamento.

Por volta de 1750, a revolução industrial teve seu inicio com a invenção dos motores a vapor, emitindo uma quantidade de dióxido de carbono para a atmosfera nunca vista.

Com o uso industrial de combustíveis fósseis, as emissões vêm aumentando exponencialmente ao longo dos anos.

Todo esse volume de dióxido de carbono liberado na atmosfera é um dos principais causadores do aquecimento global e, portanto deve-se adotar politicas energéticas mais eficientes e sustentáveis.

Essa necessidade de redução da emissão de carbono e outros gases do efeito estufa vêm gerando uma grande transformação dentro das indústrias.

Atualmente, existe uma pressão social que vem mudando hábitos de consumo e tornando o assunto cada vez mais discutido entre personagens importantes dentro do setor industrial.

Além dessa cobrança popular, os governos e lideranças também vêm tornando mais rigorosas as legislações sobre a emissão de carbono no setor industrial.

Estes são os primeiros passos de um longo processo que já vem acontecendo em muitas grandes empresas e que tende a ser cada vez mais presente dentro da indústria.

De forma geral, para conter o aumento das emissões, todos os setores produtivos já estão sendo incentivados e pressionados a optarem por politicas energéticas mais eficientes e menos nocivas.

Muitos fundos de investimento e stakeholders vêm se posicionando favoravelmente à redução total de emissão de poluentes e debatendo o papel da indústria nesse importante assunto. Muitos deles vêm direcionando seus investimentos às indústrias que têm o objetivo de descarbonização em seu escopo.

Dentre as várias opções pra alcançar esses resultados, as indústrias podem optar pela compra de energia de fontes sustentáveis, como a energia eólica e solar. Porém, apesar dos incentivos atuais, fontes sustentáveis ainda não têm capacidade de alimentar todo o setor industrial e portanto essas empresas devem optar por melhorar seu processo produtivo de forma a aumentar sua eficiência energética.

Às vezes, mudanças mais drásticas são inevitáveis e vão demandar grandes investimentos, porém enganam-se aqueles que acham que essa é a única opção.

Utilizando as ferramentas corretas, é possível melhorar seu aproveitamento energético de maneira gradativa e constante.

Além disso, um bom aproveitamento energético quer dizer menor custo de produção, ou seja, você diminui as emissões e por consequência diminui seu custo com insumos energéticos.

Nós da Ororo acreditamos que todos os consumidores podem melhorar seu aproveitamento energético e também não precisam investir muito pra isso acontecer.

Acima de tudo, o mais importante para um bom programa de eficiência energética é não sacrificar a produtividade e ao mesmo tempo diminuir os custos através de uma metodologia inteligente.

Acima de tudo, deve-se ter em mente que máquinas e equipamentos GASTAM energia, foram feitos pra isso. Quem ECONOMIZA são as pessoas que os rodeiam e, portanto são as pessoas que devem estar engajadas com a politica de eficiência e suas ferramentas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.